Destaques

Capoeira ‘gospel’ divide opiniões e acusações de intolerância religiosa

A pratica da capoeira no meio cristão divide opiniões. Foto: BBC Brasil/Reprodução

Os eventos de capoeira realizados por cristãos ganha cada vez mais proporção em diversas partes do Brasil. A dança/luta ganhou uma nova roupagem e um novo nome: Capoeira ‘Gospel’.

Nessa nova roupagem, algumas coisas mudaram. Os cânticos que originalmente na capoeira que destacam orixás e outros pontos da cultura africana foram substituídos por louvores a Jesus Cristo. Tudo isso ainda acompanhado na capoeira ‘gospel’ pelo berimbau e pelo atabaque. Em alguns momentos da dança/luta realizada por cristãos, os alunos participam de um momento de pregação à palavra de Deus e oração.

A realização de um evento dá mais destaque a essa vertente da dança/luta africana no meio evangélico. O 1º Encontro Cristão de Capoeira do Gama aconteceu no mês de setembro, no Distrito Federal reuniu cerca de 200 pessoas, entre as quais, pastores que já praticavam capoeira antes de se converterem ao evangélio e continuam até os dias de hoje. Na ocasião, os presentes cantavam “Não deixa seu barco virar, não deixa a maré te levar, acredite no Senhor, só ele é quem pode salvar”.

A capoeira realizada por líderes evangélicos divide opiniões. Muitas pessoas acham válido, pois é visto como um instrumento de evangelização.

“Eu apoio a capoeira dentro da igreja, desde que o líder tenha formação e conhecimento daquilo que ele está falando. Mediante a isso, tudo bem. É até um instrumento para chamar pessoas, uma forma de evangelismo”, disse o Thiago Silva, 23 anos, membro da Igreja Messiânica Mundial do Brasil.

Por outro lado, algumas pessoas não aprovam a iniciativa de trazer algo que enaltece outros deuses para dentro do meio cristão.

“Existem outras formas de evangelização. Muitas coisas na capoeira tem ligação direta com orixás. Quando você usa isso dentro de um ambiente onde há pessoas que muitas vezes precisam de libertação, é preocupante” disse José Santos, 44 anos, membro da Igreja Assembleia de Deus.

Carta de repúdio

Uma carta de repúdio feita pelo Colegiado Setorial de Cultura Afro-Brasileira, que faz parte do Conselho Nacional de Políticas Públicas do Ministério da Cultura, enviou no mês de maio uma carta aos organizadores no 3º Encontro de Capoeira  Gospel, que aconteceu no mês de Junho, em João Pessoa. Na carta, o movimento teme o ensinamento de ódio e intolerância religiosa por parte de pastores evangélicos.

“Temos lutado contra o racismo em suas diversas e perversas manifestações. A demonização perpetrada por pastores, mestres ou professores de ‘capoeira gospel’, ensinando o ódio e a intolerância contra as raízes da capoeira e contra seus praticantes não evangélicos, é um crime de ódio que fere a liberdade e a dignidade humana”, diz o documento.

Com informações de BBC