Destaques

Alemanha 2006: Bom com os pés e ruim da cabeça

Por Marcos Meirelles
Além de favorito para o título, o Brasil era também favorito para sediar o Mundial de 2006. Mas se a Alemanha foi a escolhida por razões diversas, podemos afirmar que foi uma Copa bem planejada. Dos 12 estádios, todos estavam em cidades diferentes e cada um deles com a capacidade de receber de 40 mil a 75 mil pessoas. Na primeira fase, a Itália não teve muitas dificuldades. Com duas vitórias, sobre Gana e República Tcheca, e uma empate com os Estados Unidos. Nas oitavas de final, o 1 a 0 suado contra a Austrália, marcado de pênalti deu mostras de superação italiana em mundiais. Nas quartas, um 3 a 0 contra a Ucrânia para espantar a zebra da competição. Na semifinal, o caldo entornou: apareceu a Alemanha. O 2 a 0, só veio na prorrogação e a Itália chegava à final.

O estiloso e moderno Olympiastadion, em Berlim, foi palco de uma das mais marcantes finais das Copas. De um lado, a França de Zinedine Zidane e do outro, a Itália, com uma zaga excelente e que havia sofrido apenas um gol. Zidane coloca os franceses em vantagem logo no início do jogo com o pênalti convertido e cede o empate na cabeçada mortal de Materazzi. O 1 a 1 permaneceu até o final da partida. Na prorrogação, a dez minutos do fim, Zidane não aguentou uma provocação de Materazzi e desferiu uma cabeçada no peito do zagueiro. O craque francês é expulso e a França começa sua derrocada ali, naquele exato momento. Na disputa por pênaltis, o 5 a 4 para os italianos, enterra de vez a sina de perder em decisões por pênaltis e faz da Itália, tetracampeã do mundo.

Itália Campeã

O Brasil na Alemanha
Foi disputando as eliminatórias que o Brasil – mesmo sendo o atual campeão – pela primeira vez, teve o direito de ir à Alemanha. Mais favorita do que nunca e com belos jogadores, o time treinado por Carlos Alberto Parreira contava com o chamado “Quadrado Mágico”. A equipe brasileira contava com os pés de Kaká, Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo Fenômeno e Adriano, para trazer mais um título. Se na primeira fase, a Seleção Brasileira venceu seus três jogos e avançou sem sustos, um tranquilo 3 a 0 sobre Gana encheria de esperança seu torcedor. Porém, mais uma vez encontrariam Zidane no caminho e com uma atuação espetacular, o camisa 10 da França comandou o 1 a 0 sobre o Brasil e enterrou mais uma vez o sonho da Seleção Brasileira de conquistar a taça de campeão.

Curiosidade da Copa
Um craque como Zidane não merecia ter se despedido de forma tão melancólica de uma Copa do Mundo, ao dar uma cabeçada em Materazzi, na final. Expulso, saiu pelas portas do fundo do Mundial da Alemanha.
* Fontes para consulta:ilustração extraída do livro “150 Curiosidades das Copas do Mundo”, de Gustavo Roman com charges de Vinicius.

Fato Histórico
Condenado à forca por crimes contra a humanidade, Saddam Hussein foi capturado em 2003, pelos americanos.

País Sede
Alemanha

Classificação Final
Itália – Campeão
França – Vice-campeão
Alemanha – 3º lugar
Portugal – 4º lugar
Brasil – 5º lugar
Argentina – 6º lugar
Inglaterra – 7º lugar
Ucrânia – 8º lugar
Espanha – 9º lugar
Suiça – 10º lugar
Holanda – 11º lugar
Equador – 12º
Gana – 13º lugar
Suécia – 14º lugar
México -15º lugar
Austrália – 16º lugar
Coreia do Sul – 17º lugar
Paraguai – 18º lugar
Costa do Marfim – 19º lugar
República Tcheca – 20º lugar
Polônia – 21º lugar
Croácia – 22º lugar
Angola – 23º lugar
Tunísia – 24º lugar
Estados Unidos – 25º lugar
Irã – 26º lugar
Trinidad e Tobago – 27º lugar
Arábia Saudita – 28º lugar
Japão – 29º lugar
Togo – 30º lugar
Costa Rica – 31º lugar
Sérvia e Montenegro – 32º lugar

Mascote
Com 18 anos e com 2 metros e 30 centímetros, o Leão Goleo era o mascote da Copa. Com a camisa número 6, tem a companhia de sua amiga chamada Pille, uma bola falante.

Artilheiro da Competição
O alemão Miroslav Klose voltou a comprovar a fama de goleador e repetiu a marca de 5 gols que obteve na Copa passada, em 2002. A diferença é que nesta, ele se consagrou.

Craque da Copa
Poucas vezes numa Competição rica em valores individuais, um defensor foi eleito o craque. Mas em 2006, o italiano Fabio Cannavaro deu o que falar, sendo campeão do mundo pela equipe italiana, o ano foi dele.

Frase
“Eu não sei o que ele [Materazzi] disse para o Zidane. Só sei que ele foi o homem do jogo, não o Pirlo. Ele empatou o jogo e mandou o Zidane embora.”
(Raymond Domenech, técnico da França, sobre a final da Copa).

Zebra
Gana 2 x 0 República Tcheca
A República Tcheca era considerada uma das potenciais forças daquela Copa do Mundo. Mas decepcionou a todos e foi eliminada na primeira fase. Gana, por sinal, encarou o Brasil na fase seguinte.

Bola
Leve e impermeável, a bola teve grandes mudanças neste Mundial. A começar por seu significado: “Espírito de equipe”. Em cada partida, nela constava o nome das duas equipes, o local e a data do confronto.

Cobertura
A difusão dos meios televisivos e o aumento da produção de mídia, foi marcante nesta Copa e podemos dizer, mais uma vez, que foi o evento foi marcado pela resiliência.