Destaques

Brasil 2014: A terceira tragédia do futebol brasileiro

Por Marcos Meirelles
Nunca na história das Copas do Mundo, um evento dessa grandiosidade teve tanta audiência. Segundo dados preliminares da FIFA, quase 3,5 bilhões de espectadores espalhados pelo mundo acompanharam o a abertura deste Mundial em solo brasileiro. Na primeira fase da competição, a Alemanha estreou com um soberano 4 a 0 contra Portugal, um empate com a surpreendente Gana por 2 a 2 e 1 a 0 contra os Estados Unidos, lhe garantiu o primeiro lugar. Nas oitavas de final, um 2 a 1 contra a Argélia e nas quartas, um 1 a 0 contra a França lhe permitiu pegar o Brasil na semifinal. Um estrondoso 7 a 1 lhe deu moral para enfrentar a Argentina, que venceu na primeira fase a Bósnia e Herzegovina, por 2 a 1, o Irã por 1 a 0 e a nigéria por 3 a 2. Nas oitavas, despachou a Suiça por 1 a 0, nas quartas venceu a Bélgica por 1 a 0 e nas semifinais, a Holanda nos pênaltis, após empate sem gols.

Enfim, chegava a grande decisão entre as duas mais regulares equipes da Copa do Mundo: Alemanha e Argentina. No Estádio do Maracanã, em 13 de julho, a cidade do Rio de Janeiro receberia a segunda final em seu estádio, já que a primeira foi em 1950, na derrota para o Uruguai por 2 a 1. Pela terceira vez, as equipes decidiriam o Mundial (em 1986 com vitória argentina e em 1990 com vitória alemã). Um jogo morno e estudado foi acompanhado por 74.738 espectadores, até que Gotze, aos sete minutos do segundo tempo da prorrogação, marcou o único gol que deu a Alemanha, o tetracampeonato em gramado brasileiro.

Alemanha Campeã

A maior humilhação
Jogando em casa, a Selecão Brasileira necessitou do terceiro jogo para garantir vaga nas oitavas de final da competição e com a ajuda da torcida que lotava as arquibancadas em seus jogos. A equipe comandada por Felipão, enfrentou logo em seguida o Chile e após empate em 1 a 1, venceu nos pênaltis, com destaque para o arqueiro brasileiro Júlio César. Em meio as comemorações, lágrimas foram derramadas por jogadores que eram símbolo daquela equipe, como o Capitão da equipe, o zagueiro Thiago Silva e o próprio Júlio César. O Brasil estava classificado para as quartas de final e apesar da vitória por 2 a 1 contra a Colômbia, a estrutura da equipe estava comprometida. Na semifinal contra a Alemanha, sem Neymar, em pleno Mineirão, o Brasil entrava para a história ao ser massacrado por 7 a 1 e pela primeira vez, espantaria os fantasmas definitivamente da Copa de 50. O que seria a iminente conquista brasileira, se transformaria na maior humilhação da história dos mundiais. De certa forma, foi. E dificilmente deixará de ser tão cedo.

Curiosidade da Copa
É lançado no Rio de Janeiro, o livro 150 Curiosidades de Copas do Mundo, da Maquinária editora. Com fatos e histórias de edições dos mundiais até 2010, o livro traz 80 charges.
* Fontes para consulta: texto e charge extraídos do livro “150 Curiosidades das Copas do Mundo”, de Gustavo Roman com charges de Vinicius.

Fato Histórico
Vencedor do prêmio Nobel de Literatura em 1982, morria o escritor colombiano Gabriel García Marquez morre aos 87 anos.

País Sede
Brasil

Classificação Final
Alemanha – Campeão
Argentina – Vice-campeão
Holanda – 3° lugar
Brasil – 4° lugar
Colômbia – 5° lugar
Bélgica – 6° lugar
França – 7° lugar
Costa Rica – 8° lugar
Chile – 9° lugar
México – 10° lugar
Suiça – 11° lugar
Uruguai – 12° lugar
Grécia – 13° lugar
Argélia – 14° lugar
Estados Unidos – 15° lugar
Nigéria – 16° lugar
Equador – 17° lugar
Portugal – 18° lugar
Croácia – 19° lugar
Bósnia e Herzegovina – 20° lugar
Costa do Marfim – 21° lugar
Itália – 22° lugar
Espanha – 23° lugar
Rússia – 24° lugar
Gana – 25° lugar
Inglaterra – 26° lugar
Coreia do Sul – 27° lugar
Irã – 28° lugar
Japão – 29° lugar
Austrália – 30° lugar
Honduras – 31° lugar
Camarões – 32° lugar

Mascote
O nome “Fuleco” vem da junção das palavras “FUteboL” e “ECOlogia”.

Artilheiro da Competição
O colombiano James Rodriguez com 6 gols, levou até onde pôde a Colômbia com atuações e gols marcantes.

Craque da Copa
O argentino Lionel Messi, foi eleito o melhor jogador do Mundial disputado no Brasil. A derrota para os alemães na final por 1 a 0, machucou e muito o camisa 10 argentino.

Frase
“Alguns se manifestam dizendo que vamos escolher adversários. Ou são burras, ou mal-intencionadas. Se perdermos, nós não classificamos. Não temos de escolher ninguém”.
(Luiz Felipe Scolari, ainda na primeira fase da competição)

Zebra
Brasil 1 x 7 Alemanha
Mesmo sendo um clássico do futebol Mundial, o vergonhoso 7 a 1 pode (e deve) ser considerado sim, uma zebra, pela quantidade de gols da Alemanha.

Bola
Chamada de Brazuca – foi a primeira bola da história a ter apenas seis gomos – enquanto as cores foram inspiradas nas fitas da sorte do Senhor do Bonfim da Bahia.

Cobertura
A Copa do Mundo no Brasil quebrou alguns paradigmas em relação aos meios de comunicação. E foi a resolução 4K, ou Ultra HD (4000px na horizontal e 2000px na vertical), conhecida por apresentar mais pixels e detalhes nas imagens exibidas do que o olho humano consegue enxergar, e marcou a competição que entrou para história por ter sido, o mais sofisticado de todos os tempos.